Bio Cursos

| 05/06/2017 15:01

Leonardo Batista: Conscientização Contra a Obesidade Mórbida Infantil

Bio Cursos Entrevista:
Leonardo Batista
Tema: Conscientização Contra a Obesidade Mórbida Infantil

Leonardo Batista é Nutricionista e possui Licenciatura em Ciências Naturais, além de ser graduado em Biologia e especialista em Desenvolvimento em Gestão Empresarial.

1) - Em que os pais devem ficar atentos na alimentação de seus filhos?
Leonardo Batista: Os pais devem ficar atentos no consumo frequente de alimentos com pouco nutrientes e muito calóricos, que é prejudicial à saúde especialmente de crianças e adolescentes ainda em desenvolvimento. Uma boa refeição é um dos segredos para um melhor desenvolvimento infantil, pois além de proporcionar disposição e energia, melhora a memória e atenção e garantir crescimento saudável da criança.

2) - Existem alimentos que devem ser evitados ou proibidos a ingestão durante a infância?
Leonardo Batista: Em minha Conduta Clínica, alguns alimentos que orientamos ser evitados pelas crianças são:
Salsicha - A presença de nitritos e nitratos, utilizados para realçar o sabor, a cor e a longevidade do produto, é preocupante. Se ingeridas em demasia, essas substâncias podem aumentar as chances de toxidades no organismo. É preciso atentar ao consumo de embutidos, pois eles podem contribuir para a aparição de inúmeras doenças, inclusive degenerativas como o câncer. Porém, é de extrema importância ressaltar que a ingestão desse tipo de alimento não pode ser a única associada a aparição desse problema.

Refrigerante/suco industrializado - possuem altos níveis de conservantes, que podem trazer malefícios ao organismo. Além de não terem nenhum valor nutritivo, eles também contribuem para o aumento de peso e cáries dentárias, já que têm número elevado de açúcar em sua composição. O benzoato de sódio é um conservante muito utilizado para a fabricação de produtos industrializados, também dos refrigerantes. Ele é um dos responsáveis por realçar o sabor e a cor das bebidas. Pesquisas revelam que, se elevado a altas temperaturas, a combinação do benzoato de sódio com o ácido ascórbico (vitamina C) pode desenvolver o benzeno, substância com potencial cancerígeno. Por isso, o cuidado deve ser maior com refrigerantes e sucos que contenham vitamina C em sua composição. Lembrando que varia de pessoa para pessoa, da quantidade e tempo que a substância se encontra no organismo do consumidor. Além disso, pesquisas declaram que esse conservante e alguns corantes alimentares podem auxiliar na aparição dos sintomas de transtorno de déficit de atenção nas crianças.

Evite os industrializados, prefira sucos naturais e, de preferência, feitos na hora. Além de saborosos, são altamente nutritivos e ótimos para a manutenção da saúde de seus filhos. A uva, por exemplo, auxilia no controle do colesterol. Além de sua ação antioxidante, capaz de combater os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento precoce das células e inúmeras doenças. A laranja e o kiwi também então na lista de poderosos antioxidantes. Com altos níveis de vitamina C, eles ajudam na prevenção de gripes e resfriados.

Salgadinhos - Com diversos sabores e cores, os salgadinhos também estão entre os alimentos que devem ser evitados. O alto nível de sódio encontrado no produto, se consumido em excesso, pode acarretar problemas nas crianças. Alguns salgadinhos também possuem conservantes, por isso sempre fique atento. Outro problema comum é o engasgamento, então evite dar a menores de dois anos. Se quiser dar um salgadinho ao seu filho, prefira o orgânico. Ele é menos prejudicial à saúde das crianças, já que tem quantidades menores de calorias. Inclusive, existem os salgadinhos integrais que também podem ser consumidos, pois tem valor nutritivo mais elevado e são feitos com ingredientes mais naturais.

Bolachas recheadas - são alimentos não recomendados. Além de calóricas, têm alto índice de sódio e possuem gordura trans. Não precisa privar a criança de consumi-las, mas é bom moderar na sua ingestão, para que mais tarde não tenha consequências negativas em seu corpo.
Ao invés de bolacha recheada, você pode dar ao seu filho uma barra de cereal caseira. Além de não ser um produto industrializado, você escolhe os ingredientes que deseja usar na confecção do alimento. Por exemplo, a banana e a castanha de caju são boas opções para o seu preparo. A banana é ótima para fornecer energia. Já a castanha é fonte de nutrientes e ajuda a elevar o bom colesterol.

3) - Crianças obesas serão adultos obesos?
Leonardo Batista: Provavelmente sim, com a diferença básica de que os adultos de hoje foram na sua infância bem mais crianças; bem mais felizes..., mas isto pode e deve ser mudado. Cabe a cada um de nós preservar o que sempre foi "moda": uma alimentação saudável, equilibrada, rica em proteínas, vitaminas, sais minerais e nunca se esquecer de uma boa dose de carinho, afeto, amor e compreensão. A criança obesa de hoje é a mesma criança de anos atrás: apenas uma criança que precisa ser alertada, educada e instruída sobre as dificuldades e transtornos que implicam em estar com o peso acima do ideal.

4) - Qual deve ser a dieta indicada para crianças que já apresentam algum grau de obesidade?
Leonardo Batista: Pequenas mudanças podem fazer uma grande diferença na saúde do seu filho:
- Prefira alimentos integrais aos refinados;
- Invista nas frutas, legumes e vegetais orgânicos;
- Evite biscoitos, bolachas e refeições prontas (industrializados). Eles são ricos em açúcar, sódio e gorduras;
- Controle o consumo de bebidas adoçadas, incluindo os sucos industrializados. Essas bebidas são muito calóricas e oferecem poucos ou nenhum nutriente;
- Reduza o número de vezes os fast-food. Muitas das opções do menu são ricas em gordura e caloria;
- Controle as porções, uma vez que as crianças comer bem menos do que os adultos.

5) - O que deve ser feito para combater e diminuir a obesidade infantil?
Leonardo Batista: Cortar calorias nas refeições - os pais não devem superalimentar seus filhos à mesa. Se o cardápio é sempre muito calórico, talvez seja hora de repensar os hábitos alimentares da família em benefício da criança. Estudos comprovaram que os hábitos alimentares dos pais contribuem para o desenvolvimento da obesidade em crianças em idade escolar. Não ofereça doces como prêmio por bom comportamento.

Limitar os lanchinhos - os pais não devem forçar seus filhos a comerem frutas e vegetais, ao invés disso, eles devem limitar a oferta de "guloseimas" em seus armários. A criança dificilmente aceitará frutas ao ter biscoitos e outras massas ao seu alcance. Não mande salgadinhos industrializados, refrigerantes ou chocolates na lancheira.

Limitar Fast-foods - os pais devem reduzir gradativamente as saídas para lanchonetes e outros fast-foods.

Introduzir atividades físicas - a atividade física é indispensável para a criança queimar calorias reduzindo seu excesso de gordura.

Redução do tempo de TV - Estudos têm mostrado a relação direta entre assistir TV e a obesidade infantil. Não deixe que a criança passe muitas horas diante da TV. A média nacional são três horas e meia.

Amamentação - Estenda o período de aleitamento materno ao máximo. Isso reduz o risco de obesidade por vários anos consecutivos.

Comer na hora certa - Na medida do possível, ensine a criança a comer frutas, verduras e legumes. Acostume a criança a comer nas horas certas - seis refeições por dia - e mantenha a rotina.

Por
Paloma Nascimento
Assessoria de Comunicação Bio Cursos

Nossos Parceiros

logo_HTM